quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Incontrolávelmente

A única verdade dita é a que não consigo dizer.
Aquela onde sei exatamente os propósitos, Onde minha própria coragem estabelece contato, mas não ainda com exatidão;

Entre o respiro ofegante, A melodia, e o pensar; Fico à espera.
Agora sem pressa,
Com vontade
Incontrolávelmente
Não me peça palavras, quanto mais sentidos.
Vou indo... de cabeça fresca; Corpo levemente suave, palavras travadas na garganta.
Não penso em cair, nem se estou em pleno vôo.
Não há nada que me faça pensar, não agora.
Não como antes.
Bom ou ruim, tanto faz.
De querer em querer não há como parar; E nem quero.
O sorrir acaba de começar...

7 comentários:

Tassyane disse...

May, tu tem sempre esse jeitinho tranquilo e suave de demonstrar os teus sentidos, que por alguma razão quase sempre se transformam nos meus também.

Beijão, linda!

Karla Hack disse...

Tão suave de se ler e curtir...
Adorei a sua sensibilidade!


;D

Thiago P. B. Bessimo disse...

Gostoso de seguir.

http://ocadernos.blogspot.com/

T.F. disse...

lindo!
E realmente, da pra perceber muito sua sensibilidade!
Parabéns.

Fer disse...

Adoro como você passa sentimento, tão leve. Adorei may *-*.

Daniella Jennings disse...

Te dei um selo de qualidade, confira: http://daanizete.blogspot.com/2010/12/selo-de-qualidade.html

Tainã disse...

"o sorrir acaba de começar.. e que não tenha fim!