domingo, 19 de junho de 2011

Viajante

Querer e ter são palavras muito fortes, mas, não me impede de querer ter algo ou alguém.
Nem que seja ao menos eu mesma.
No desfazer do querer sobra apenas minha vontade de voltar.

Daí, o céu estrelado que por sua vez brilha, quer ofuscar a noite; Sem dar bandeira ao viajante.
Meliante, que anda em sua direção. Talvez na mão, milhares de segredos e um pensamento incompreendido pelos olhos.

Pois há uma ventania tão enlouquecedora, que ouso em dizer que aquela que já brilhara, caiu do céu, sentindo o medo que eu temia.

A sorte talvez fosse teu sobrenome, caiu nas mãos do viajante certeiro; Que mesmo parecendo perdido, não queria lhe passar insegurança. As mãos cansadas, porém, confortantes, fizeram o favor de tirar a poeira que teimava em te inibir. Fazendo até ela sorrir, do jeito dela, do jeito que ele possa entender.

O céu está logo ali, faça-me sorrir.

8 comentários:

mulherices disse...

Seu texto é tão hermético que os sentidos pertencem apenas a você mesma ...

Nathacha disse...

Belissimo texto! gostei muito da leveza dele e sua "forma delicada" de usar as palavras!
http://medicinepractises.blogspot.com/

Bruna M. disse...

Oii,
tem um selo no meu blog pra voce.

Bjo ;)

Leonardo Godinho de Souza disse...

Belo Blog!

Acesse o meu Bruna

http://www.tec-facil.com

Luísa Espíndola disse...

adorei o jeito em que escreve e o texto também. Beijos

Rubi disse...

Que texto lindo!
Algumas rimas deram um toque a mais, mas sem dúvidas, a sua forma de escrever fez do texto algo muito mais especial.

Gabi disse...

Oii muito bom o post!!
tem mais um selinho pra vc la no Blog http://bibijs.blogspot.com/ espero que goste!
E mais uma vez parabéns pelo blog :D
bjs..

Tayane Lopes disse...

Muito lindo o seu texto...

Der uma espiadinha no meu blog:

www.solitudeday.blogspot.com