terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Abismo

Depois que senti o que não esperava; O que temia.
Não senti mais nada.
Sofri em partes desconhecidas. Ria de mim, chorava de mim.
Depois encontrei o que talvez não procurasse, era o que não encantava aos olhos. Mas, encantou minha alma com o passar dos dias.
Estranho repetir agora que sinto mais do que eu mesma sei. O que parecia tão dominado era totalmente equívoco meu.
Prestes ao abismo, não cai. E não vou.
Alguns dizem que a saída está na queda.
Mas não me perguntaram se talvez eu queira voar.

5 comentários:

Victor Viana disse...

Gostei da ultima parte ,muito bom ,voce faz otimo textos.

Uddo disse...

Lembrei do filme ''encontros e desencontros'' ao ler o seu texto.
Tente assistir.
.
http://cinemaemusicavivos.blogspot.com/

Brenda Gomes disse...

O que a gente sente não dá pra ignorar, mas nada nos impede de escolher outra saída e voar. Adorei a solução!
bjs

Karla Hack dos Santos disse...

Se vc sente que pode voar... Voe!

Belos versos!

;D

Ane disse...

Que lindinho teu blog! Já sou seguidora.
Te convido tb pra visitar o meu: http://doquemefazviver.blogspot.com/
Coisas da Vida, o original.
Abraços.